15 de abril de 2011

TURISMO RURAL EM COMUNIDADES QUILOMBOLAS

                                                            Fazendo tranças afro


TURISMO RURAL EM COMUNIDADES QUILOMBOLAS DE MATO GROSSO

DESCRIÇÃO
No município de Nossa Senhora do Livramento, com acesso pela Rodovia MT 060, aproximadamente no Km 35 encontramos a comunidade Mata-Cavalo que é uma das mais antigas e conhecidas, e que têm grande potencialidade com belos atrativos. Na comunidade Mata Cavalo, o visitante tem a oportunidade de ver o processo de produção agrícola, criação de animais, fabricação de doces, rapaduras, farinhas e conviver com suas culturas, danças, festas religiosas, saberes e fazeres com a simplicidade e hospitalidade oferecida pelos quilombolas que é uma experiência única.

No município de Poconé, com acesso pela Rodovia MT 060, localizado a 104 quilômetros de Cuiabá, existem 05 comunidades quilombolas preparadas e com potencial para desenvolver o turismo: Morro Cortado, Capão Verde, Mutuca, Campina de Pedra e Jejum.

Capão Verde é uma comunidade formada por aproximadamente 14 famílias, ou seja, um grupo de 60 pessoas instaladas em uma área de 200 hectares. Eles vivem do cultivo da banana, voltada para a produção da farinha de banana, um complemento alimentar rico em cálcio, ferro e fosfato, atualmente com apoio da Eletronorte e muitos outros parceiros, conseguiu uma estrutura moderna de fábrica de derivados da banana que fazendo com que eles saiam do processo totalmente artesanal e se desloquem para um novo processo em que terão melhor eficiência e eficácia na produção final

Morro Cortado é uma comunidade que fica as margens da rodovia BR 070 no km 70 no sentido Cuiabá / Cáceres formada por 15 famílias em uma área total de 105 ha, o que é característico dos quilombolas, ou seja, um pequeno grupo de pessoas instaladas em uma pequena área de terras vivendo em comunidades.. Os produtores sobrevivem do cultivo e do beneficiamento da banana, onde produz a farinha, doces, banana frita eles consomem como complemento alimentar pois é rico em cálcio, ferro e fosfato e comercializam o excedente da produção. O sítio Mineiro se destaca na região com um alambique onde se produz uma cachaça de boa qualidade que é comercializada na própria propriedade e em outros municípios da região do Vale do Rio Cuiabá, neste sítio produz também derivados da banana e tem produção de matéria prima tanto da banana como da cana de açúcar.

Na região se encontra a comunidade Céu azul onde residem 5 famílias que mantém uma tradição de confeccionar redes com fios de linhas de algodão com o auxilio de tear, mas totalmente manual, uma rede demora de 30 a 45 dias para ser confeccionada.

O uso e costume na ciência com as curas através das plantas medicinais estão presente principalmente nos mais idosos.

Mutuca é uma comunidade formada por 36 famílias, aproximadamente 200 pessoas que produzem farinha de banana há mais de 30 anos, além de outros produtos como rapadura e doce de caju.

Campina de Pedra está situada no km 32 da Estrada do Corrente, com acesso pelo km 42 da MT 060, Rodovia Cuiabá - Poconé. É uma comunidade com 125 hectares, onde vivem 36 famílias que formam um grupo com 136 pessoas. A principal atividade econômica é o cultivo de cana-de-açúcar para a produção de rapadura, melaço e açúcar mascavo. Além das delícias da cana-de-açúcar, a comunidade também tem grupos folclóricos que apresentam o cururu e siriri na sua forma autêntica, são danças tradicionais da Baixada Cuiabana.

Visinhos da Campina de Pedra está localizada uma Comunidade do IMBÉ, que também tinha a sua produção de rapadura, melados e açúcar mascavo totalmente de forma artesanal, atualmente sai deste processo para um mais arrojado, uma vez que a comunidade reuniu 15 agricultores em sua associação e com apoio do Banco do Brasil financiaram uma pequena indústria de açúcar mascavo com capacidade para beneficiar 300 kg do produto por dia em turno de 8 hs de trabalho, além de ter equipamentos produzi a rapadura e o melado, o que ira dar uma melhor dinâmica na produção proporcionando melhor qualidade e quantidade.

Jejum, além de oferecer os produtos da banana e da cana-de-açúcar, tem ainda como atração para os visitantes os remédios naturais feitos pela dona Olga Souza. Ela produz diversos tipos de garrafadas e sabonetes que são utilizados para curar vários tipos de doenças

Elaboração: Geraldo Lúcio

Colaboração: Felinto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário