19 de abril de 2011

Conhecam um pouco da Historia dos Indios em Mato Grosso e no Pantanal Matogrossense



           Mapa do Estado do Mato Grosso com os pontos Indígenas



Em 1718, o bandeirante Pascoal Moreira Cabral Leme, nesta expedição chegou ao Rio Coxipó em busca dos índios Coxiponés para levá-los ao sul do país como escravo e logo descobriram ouro nas margens do rio, alterando assim o objetivo da expedição, dando assim início à corrida do ouro, fato que ajudou a povoar a região

Em 08 de abril de 1719, foi fundado o Arraial da Forquilha às margens dos rios dos Peixes, Coxipó e Mutuca.

O nome "forquilha" vem do fato de que, neste ponto de encontro dos rios, era formado o desenho de uma forquilha.

Esse núcleo deu origem à atual cidade de Cuiabá. A região de Mato Grosso era subordinada à Capitania de São Paulo governada por Rodrigo César de Meneses para fiscalizar a exploração do ouro e da renda.

O governador da capitania mudou-se para o arraial e logo a elevou à categoria de vila chamando-a de Vila Real do Bom Jesus de Cuiabá.

No ano de 1720 foi fundado o Arraial de
Cuiabá, em 1726, o Arraial de Cuiabá recebeu novo nome: Vila Real do Senhor Bom Jesus de Cuiabá,em 1748, foi criada a capitania de Cuiabá, concedendo a coroa portuguesa isenções e privilégios a quem ali quisesse se instalar

Hoje no ano de 2011 vemos Cuiabá capital do estado sendo uma metrópole moderna que não deixa a desejar no contexto nacional e que irá sediar a Copa 2011 e é um dos 65 destino indutor de turismo do Brasil, o estado de mato Groso com um cenário fantástico em seu espaço rural e natural, com um processo produção na agropecuária que o faz ser o maior produtor de grãos e bovinos de corte do país e um dos maiores em outras atividades do agronegócio, a indústria e comercio também cresce a passos largos, no meio ambiente o estado tem conseguido bons números que o deixa com um aspecto de apresentação de muitas áreas preservadas e protegidas, neste contexto estão as reservas indígenas que são muitas, tanto em área territorial como em número de etnias e pessoas.

Os indígenas no Estado de Mato Grosso são num total de 38 povos, uma população de 25 mil índios, que têm línguas e culturas e costumes diferenciados, que habitam apenas 10% do território mato-grossense.

A etnias existentes no estado são: Apiaká, Kayabi, Munduruku, Arara, Xavante, Cinta Larga, Bakairi, Paresi, Kayapó, Enauenê nauê, Mynky, Bororo, Nambikwara, Aweti, Juruna, Kalapalo, Kamayurá, Kuikuro, Matipu, Nahukwá, Mehinaku, Suyá, Tapayuna, Trumái, Txicão, Waurá, Yawalapiti, Rikbaktsa, Irantxe, Panará, Karajá, Surui, Tapirapé, Terena, Umutina, Zoró, Guató e Chiquitanos.

O que se conhece de índios com historicidade e que tradicionalmente habitam e ou habitaram o Pantanal matogrossense são: os índios
Paiaguás, Guaikuru, Guatós, Terenas, Kaiowás, Bororos, Umotinas, Parecis, Kinikinaos



Os povos indígenas sempre viveram em total harmonia com o meio ambiente, a chegada do homem branco através das bandeiras trouxe a esta civilização, doenças e novos costumes que até hoje lhes traz sofrimentos.

Índios do Pantanal – Matogrossense
Paiaguás – Um grupo de índios extintos que, habitavam o pantanal quando da chegada dos Portugueses e travaram intensas batalhas, das quais muitos portugueses também não sobreviviam, foram perseguidos e sendo exterminados não restando qualquer registro de seus descendentes atualmente.

Guaikuru – Um grupo de índios que se Aliaram aos Paiaguás contra os seus inimigos, os exímios cavaleiros guaikurus ofereceram grande resistência à ocupação do Pantanal matogrossense eles são declarados súditos da Cproa Portuguesa em um tratado de paz em 1791.

Guatós - Um grupo de índios de língua do tronco macro-Jê, também extinto a mais de 40 anos, até que, em 1977, foi reconhecido um grupo Guató na ilha Bela Vista do Norte, eles vive no Pantanal Mato-Grossense ao longo dos rios do médio e alto Paraguai, São Lourenço e Capivara, no município de Corumbá (MS), segundo a Funai, em 1989 eram 382 índios.

Terenas – Um grupo de índios de língua da família Aruák, uma boa Parte deles (cerca de 12.000 indivíduos) vivem no oeste de Mato Grosso do Sul, em oito áreas indígenas; outra parte (350 índios) ocupa terras nas áreas indígenas de Icatu, Araribá e Venuíre, no interior do Estado de São Paulo, juntamente com os Kaingang.

Bororos - Um grupo de índios falante de língua do tronco macro-jê, os Bororo atuais são os Bororo Orientais, também chamados Coroados ou Porrudos e autodenominados Boe. Os Bororo Ocidentais, extintos no fim do século passado, viviam na margem leste do rio Paraguai, onde, no início do séc. XVII, os jesuítas espanhois fundaram várias aldeias de missões.

Umotinas - Um grupo de índios, subgrupo Bororo de língua da família Otukê, do tronco Macro-Jê. Eram conhecidos como “barbados”, porque usavam barba, às vezes postiça - feita de pêlos de macaco bugio ou de cabelos das mulheres da tribo, vivem na Área Indígena Umutina, no município de Barra dos Bugres no Mato grosso, juntamente com os Paresí, Kayabí e Ñambikwára.

Parecis - Um grupo de índios que falavam dialetos da língua Paresí, da família Aruák. Viviam no planalto do Mato Grosso e eram uma das fontes de escravos preferidas dos bandeirantes; dóceis e pacíficos, trabalhavam na agricultura e fiavam algodão para a confecção de redes e tecidos.

Halíti - Um grupo de índios que vivem na região dos rios Juruena, Papagaio, Sacre, Verde, Formoso e Buriti, no oeste de Mato Grosso, em várias áreas indígenas, nos municípios de Tangará da Serra, Vila Bela da Santíssima Trindade e Diamantino. Em 1990, segundo a Funai, eram 900 índios.

No estado existem outros grupos que estão espalhados em todo território o Parque Nacional do Xingú hoje concentra uma grande população com várias etnias com destaque para os Xavantes, na região do Araguai estão os Caiapós, na região de Juina estão os Rikstibatsa enfim em outra oportunidade estaremos apresentando mais informações, a propósito revejam neste blog a PROPOSTA DE SUSTENTABILIDADE, ECONÔMICA, SOCIAL E CULTURAL, PARA AS COMUNIDADES INDÍGENAS.


*Confiram também no mapa acima a localização de cada Reserva,Tribo  e Etnia.

Elaborado: Geraldo Donizeti Lúcio



Referências bibliográficas


COELHO, Felipe Nogueira. Memórias cronológicas da capitania de Mato Grosso. UFMT, 1976, Felipe Nogueira. Memórias cronológicas da capitania de Mato Grosso. UFMT, 1976

MADUREIRA, Elizabeth. Revivendo Mato Grosso. Secretaria de Educação de Mato Grosso, 1997

Nenhum comentário:

Postar um comentário